Meu nome é Valéria Pellon. Minha vida com meu marido Leonardo foi atropelada por uma grande injustiça: em 11 de janeiro de 2007, Felipe, nosso anjinho tão esperado, nasceu em um dos melhores hospitais do Rio de Janeiro e, em função de negligência médica, sofreu lesões cerebrais irreversíveis durante o parto, em decorrência de asfixia. Após 5 meses internado na UTI veio pra casa com "home-care", como viveu até 11 de novembro de 2010, em estado vegetativo. Este blog é uma forma de "gritar" o nosso sofrimento e mostrar como o amor salva nossas vidas e nos faz sobreviver, a cada dia.



terça-feira, 28 de dezembro de 2010

A Grama do Vizinho ...

Recebi hoje um comentário no blog, de uma mãe, Adriana, que me emocionou muito. Entrei no blog dela, e vi uma história muito parecida com a minha, mas com perspectivas bem diferentes, mas em alguns casos, li coisas que parece que fui eu que escrevi. A conclusão que chego é que existe um mundo à parte de mães de crianças especiais que têm tanta coisa a dizer, e todas mais ou menos iguais. O sentimento de mãe é muito parecido, os pensamentos, a dor...Ela escreveu um post no blog dela sobre o meu blog, que achei muito bacana e queria compartilhar com vocês. É só clicar no link abaixo, ou copiá-lo, e aproveitem para conhecer o Antonio Pedro, lindo, lindo !

http://queridoap.blogspot.com/2010/12/grama-do-vizinho-e-sempre-mais-verde.html

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Feliz Natal

Há certas horas em que não precisamos de paixão desmedida...
Não queremos beijo na boca.
E nem corpos a se encontrar na maciez de uma cama
(...)
Há certas horas, que só queremos a mão no ombro, o abraço apertado ou mesmo o estar ali, quietinho, ao lado, sem nada dizer
Há certas horas, quando sentimos que estamos pra chorar, que desejamos uma presença amiga, a nos ouvir paciente, a brincar com a gente, a nos fazer sorrir...
Alguém que ria de nossas piadas sem graça
Que ache as nossas tristezas as maiores do mundo
Que nos teça elogios sem fim
E que, apesar de todas esssa mentiras úteis, nos seja de uma sinceridade inquestionável...
Que nos mande calar a boca ou nos evite um gesto impensado...
Alguém que nos possa dizer:
Acho que você está errado, mas estou do seu lado
Ou alguém que apenas diga:
SOU SEU AMOR ! E ESTOU AQUI !
(William Shakespeare)


Esta linda mensagem Leo e eu recebemos de Natal da minha mãe. Perfeito para o momento que estamos vivendo, quietos, quase que somente nós dois o tempo todo, procurando nos confortar com a presença um do outro, para tentar de alguma forma, preencher esse vazio imenso que sentimos na nossa casa, na nossa vida. Não sei o que seria de nós se não tivéssemos um ao outro.

Nosso Natal tem sido muito difícil nos últimos 4 anos. Este só será um pouco pior, então por isso decidimos fugir, vamos ficar fora, bem longe, sem tomar muito conhecimento de Natal nem Ano Novo. Sozinhos, somente nós dois e um mundo de gente desconhecida. Sei que fugir não resolve a dor, porque ela vai junto, mas decidimos assim...

Eu queria desejar um Feliz Natal para todo mundo que me segue aqui no blog, e agradecer a força que tenho recebido. Acreditem que muitas vezes preciso muito das palavras de amizade que recebo aqui.

Eu não sou ninguém para ensinar nada para ninguém, mas sinto muitas vezes que só de saber da nossa história, muitas pessoas repensam suas vidas, seus problemas, e suas reclamações. Isso é do ser humano, tenho certeza que eu sentiria o mesmo. Então eu só queria tentar passar uma mensagem. Não quero ser piegas, vou falar o que todo mundo ouve o tempo todo por aí. Mas acreditem nisso de verdade: a gente perde tanto tempo e energia procurando a felicidade em tantas coisas, em tantos lugares, e na maioria das vezes ela está nas coisas mais simples. Só que normalmente nós só nos damos conta disso quando perdemos essas coisas. Não esperem perder um sorriso, um amigo, um amor, um filho, para dar valor a eles. Olhe para o lado e veja quanta coisa boa você tem, e agradeça todos os dias por elas.

Feliz Natal !

sábado, 11 de dezembro de 2010

1 mês

Hoje faz 1 mês que Felipe nos deixou. Não vamos fazer missa, não vemos muito sentido nisso. Vou no encontro da Arte de Viver (satsang) para descansar minha mente e mandar energias boas para ele. E quem sabe consigo chegar um pouco mais pertinho dele...

Eu ficaria muito feliz se a gente pudesse fazer uma "corrente de energia" para ele. Então queria pedir para quem puder e quiser, às 18h30 de hoje, sábado, 11/dez, fazer uma oração, um silêncio, uma canção, um pensamento, ou seja, qualquer coisa que venha do coração, para que ele possa receber energia boa, de onde quer que ele esteja.

Muito obrigada !

Valéria

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Recomeço

Se a gente não tivesse planejado viagem nenhuma, eu garanto que iria sonhar com alguns dias num pedacinho do céu, chamado Fernando de Noronha, para descansar com o Leo. Eu já conhecia, o Leo não, e por isso eu sei que era pra lá que eu precisaria ir. Mas com sorte foi para lá que havíamos planejado passar nossa lua-de-mel, o lugar perfeito para o que precisávamos agora, ou seja, nos esconder do mundo, de casa, da vida. Confesso que se fosse para qualquer outro lugar, nós teríamos cancelado a viagem.

Foram 7 dias de muito silêncio, sorrisos, choros, cumplicidade, sem telefone, praticamente sem internet, buzina de carro, nada. Fizemos muito mergulho de cilindro, o que é um verdadeiro mergulho no nada, como uma meditação. A única preocupação era em respirar...

Felipe estava em todos os lugares, porque está dentro, muito dentro de mim. Onde eu ia, ele ia junto...Mas eu o via principalmente nos passarinhos...como disse a Marcia...acho que fiquei com isso na cabeça. Às vezes me alegrava e conversava com o passarinho como conversava com o Felipe. Em voz alta mesmo porque não tinha ninguém para me ouvir e me achar louca. Outras vezes achava aquilo tudo uma grande bobagem, meu filho não é passarinho porcaria nenhuma e o que eu faço com essa dor que eu sinto dentro de mim, passarinho ??? Altos e baixos, altos e baixos...e fica a sensação que esta dor nunca vai passar.
É a dor dos últimos 3 anos e 10 meses. Na minha cabeça o tempo todo circula tudo que a gente já passou, tudo que o Felipe passou. Penso no dia que ele se foi, aquela loucura toda num dia só. É estranho dizer que foi tudo de repente. Claro que não foi. Felipe era para ter ido há muito tempo, depois do que fizeram com ele. Os médicos que viam seus exames de cérebro diziam: "como é que ele está vivo ?" Então por algum motivo ele ou alguma força, não sei, nos preparou por quase 4 anos para perdê-lo. Mas naquele dia...eu saí para trabalhar, vim só dar uma olhadinha nele antes de sair para uma reunião e achei algo estranho nele, achei ele pálido...Dali em diante, foi uma sequência de coisas inesperadas até ele "voar". Ainda é difícil ter paz. Penso sim que agora ele está livre, mas ficar em paz porque meu filho se foi é muito forte, significa tanta coisa que eu não consigo esquecer. Não consigo ter paz ainda. Mas eu vou buscar a paz sim. Eu sei que a meditação vai me ajudar, mas preciso dar o primeiro passo...eu chego lá...já cheguei até aqui né ?

Enfim, voltamos ontem, e a volta para casa foi difícil. Difícil por voltar para o silêncio triste da nossa casa, e também por ter que recomeçar a vida, mais uma vez. Hoje estou recomeçando a minha vida pela segunda vez. Talvez por ter trilhado esse caminho tão difícil do nascimento do Felipe até aqui as coisas fiquem mais fáceis? Não sei...Nada se compara à dor da primeira "morte" do Felipe, quando ele nasceu. Foi muito difícil sobreviver até aqui. Mas o recomeço...passamos por mais aquele recente turbilhão de emoções, veio o casamento, a viagem, e agora... ? Eu precisava ficar de "altos" da vida...Quem é que resolve isso ? O presidente, o papa, o governo federal, estadual, quem ??? Eu queria viver no paraíso, sem obrigações, sem nada. Só discutindo e conversando com os passarinhos.