Meu nome é Valéria Pellon. Minha vida com meu marido Leonardo foi atropelada por uma grande injustiça: em 11 de janeiro de 2007, Felipe, nosso anjinho tão esperado, nasceu em um dos melhores hospitais do Rio de Janeiro e, em função de negligência médica, sofreu lesões cerebrais irreversíveis durante o parto, em decorrência de asfixia. Após 5 meses internado na UTI veio pra casa com "home-care", como viveu até 11 de novembro de 2010, em estado vegetativo. Este blog é uma forma de "gritar" o nosso sofrimento e mostrar como o amor salva nossas vidas e nos faz sobreviver, a cada dia.



sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Filho,



Dia estranho...nem mais nem menos difícil que os outros dias. Tenho fases em que fico aparentemente anestesiada pela vida, pelos acontecimentos, pela correria, pelo trabalho, e parece que você não estar aqui já faz parte. Mas de repente vem uma onda, um choque que pega meu corpo todo e me passa todo o "filme" na cabeça e me faz ter a certeza que não existe nada maior nem mais dolorido nesse mundo do que o sentimento de mutilação que é a gente se separar de um filho, da forma que for. Isso não deveria ser permitido. Me perdoem os espiritualmente elevados e bem resolvidos, mas não é legal não...pensar que você está livre de tantos aparelhos, aspirações, respiradores, me faz sim pensar que hoje você está livre, mas longe da gente, longe do colinho da mamãe, é justo isso ? Enfim, não vou entrar nessa questão agora, deixa isso para meus próximos anos desta e das próximas vidas, para eu tentar entender.

Sigo na busca de acreditar, de ter a certeza que hoje você está melhor. Não tenho certeza de nada, não sei em que acredito, nem se acredito em alguma coisa. Quando fico muito mal, penso em você e POR VOCÊ eu procuro ficar bem para se tiver alguma chance de você estar me vendo triste e ficar triste por isso, então não quero te trazer mais sofrimento, filho, eu vou me esforçar.
Mas de alguma forma, não sei como, eu acredito que você está aqui comigo. Dentro de mim sinto muitas vezes uma força muito grande, uma luz, uma sensação inexplicável de preenchimento, de conforto, e isso é o amor por você que me preenche e me faz acreditar que a gente nunca vai se separar, porque você voltou pra dentro da mamãe, em forma de amor infinito, que mesmo sem forma, preenche e às vezes conforta a dor da ausência do seu corpo.
Penso em você todos os segundos da minha vida. Casa passo que dou, dou por você, pelo seu pai, pelo amor que nos une. E se posso pensar que a vida me proporcionou algo de bom, foi essa grandeza de amor que nos une, como uma família, como uma coisa só, sem separação.

Não sei o que nos aguarda, mas vivo em busca de querer acreditar que nós nunca vamos nos separar, não sei muito bem de que forma, mas que já transcendeu o campo material, o campo físico.
Estou grávida de você para sempre, agora em forma de luz, de amor. Se isso pode atrapalhar que um irmãozinho tenha espaço dentro do corpo da mamãe, não sei, mas se estiver se encaminhando para esse lado, existem outras formas da gente te dar um irmãozinho que não seja vindo da barriga da mamãe. Mas isso é uma outra história.

Comecei falando que o dia de hoje não é nem melhor nem pior do que qualquer outro dia. Mas tudo é mais vivenciado com os outros. É uma data marcante, simplesmente. 1 ano sem você aqui, sem seu cheirinho, sem seu abraço gostoso. Parece que foi ontem, tudo está ainda tão vivo na minha mente. Mas hoje os amigos estão não só lembrando, como falando, nos abraçando, nos mandando lindas mensagens.

Você mudou a vida de muita gente, filho, e se tem uma coisa que posso te dizer hoje, sem ser tristeza, saudade, é ORGULHO. Quanto orgulho que eu tenho de ser pra sempre "A Mãe do Felipe" !

Onde quer que você esteja filho, sinta-se amado para sempre, e fica aqui quentinho dentro do coração da mamãe tá ? Te amo mais que o infinito.

Um Ano de Saudade

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Então...

Passaram-se 3 meses do meu último post. Não conseguia escrever...Mas foi legal encontrar várias pessoas nesse período que me perguntavam o que a gente havia decidido sobre ter ou não ter um cachorro em casa. Acho bacana porque mostra que as pessoas realmente lêem o blog. Quando escrevo, parece que estou no meu mundo, sozinha, escrevendo como fazia no passado, para mim mesma e ninguém nunca ia ler. Ainda estranho essa minha ideia do blog, mesmo passados 2 anos de blog, onde exponho parte da minha vida, e por algum momento eu acho que só eu sei o que escrevi... Sim, as pessoas lêem. Inclusive já são mais de 100 seguidores,quase 18.000 acessos...Sou meio velha, conservadora, acho estranha essa mega exposição da vida que as pessoas têm hoje com facebook, com twitter, com tudo o mais que nem sei acompanhar direito...Mas eu também estou aqui e, acreditando ou não, as pessoas lêem o que eu escrevo. Viagem né ? Enfim...mas fico muito curiosa pra saber como foram esses quase 18.000 acessos...por que foram, quando foram.

Queria finalmente dar uma satisfação que esses 3 meses não serviram para adaptação de cachorro nenhum. Poucos dias mesmo da nossa questão "ter ou não ter", era um sábado, aquela preguiça pra acordar, e o Leo, brincando, dá um pulo pra fora da cama dizendo "vamos, levanta, vamos levar o cachorro para fazer xixi na rua !!!" Nessa hora morri de rir e cheguei na hora à conclusão que preciso mesmo é me dar direito à preguiça que sinto hoje em dia de tudo. E desculpe, cachorrinho, ainda não vai ser dessa vez. Eu preciso dormir por alguns anos tá ? Não tô no clima de te levar pra fazer xixi na rua...imagina na chuva, sábado de manhã...ah não ! E não quero também ficar com pena de deixar você em casa quando eu for na esquina. Eu me conheço,vou sofrer com isso, e aí mesmo que não vou colocar o pé fora de casa.

Então isso esclarecido, a vida segue. Leo e eu no nosso "mundinho", na nossa "bolha", aos poucos colocando o nariz pra fora de casa, mas sempre de uma forma cautelosa, devagar, mas às vezes escapa e nem é tão cautelosa assim.

Nesse meio tempo conheci quase que pessoalmente um príncipe quase gêmeo do Felipe, o João. Um anjinho que mora em Brasília e é a cópia do Felipe. Chega a dar arrepio na gente...Vou pedir autorização à mãe dele, Aline, para postar uma foto dele aqui. É impressionante. Outro dia nós nos conhecemos pelo skype e conheci melhor o mundo dele, um verdadeiro "Pequeno Príncipe", todo fashion e tão cheiroso que quase senti o cheirinho dele através do computador. Engraçado como só de olhar (e, claro, ouvir a mãe dele falar), sabemos como ele é cheiroso!

Acompanhei tambem de perto a cirurgia do fofo Antonio Pedro, e fiquei feliz de poder ajudar de alguma forma, nem que seja enviando as tias queridas do Felipe pra cuidar dele...

Fim de semana passado encontramos com Dr João e sua família. Não sei se ele percebe, mas vai ficar sabendo se ler isso, mas eu fico nervosa quando o encontro. É muito forte a presença do Felipe junto com a presença do Dr.João...Estar com ele de alguma forma me faz estar um pouquinho mais perto do Felipe.