Meu nome é Valéria Pellon. Minha vida com meu marido Leonardo foi atropelada por uma grande injustiça: em 11 de janeiro de 2007, Felipe, nosso anjinho tão esperado, nasceu em um dos melhores hospitais do Rio de Janeiro e, em função de negligência médica, sofreu lesões cerebrais irreversíveis durante o parto, em decorrência de asfixia. Após 5 meses internado na UTI veio pra casa com "home-care", como viveu até 11 de novembro de 2010, em estado vegetativo. Este blog é uma forma de "gritar" o nosso sofrimento e mostrar como o amor salva nossas vidas e nos faz sobreviver, a cada dia.



segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Então...

Passaram-se 3 meses do meu último post. Não conseguia escrever...Mas foi legal encontrar várias pessoas nesse período que me perguntavam o que a gente havia decidido sobre ter ou não ter um cachorro em casa. Acho bacana porque mostra que as pessoas realmente lêem o blog. Quando escrevo, parece que estou no meu mundo, sozinha, escrevendo como fazia no passado, para mim mesma e ninguém nunca ia ler. Ainda estranho essa minha ideia do blog, mesmo passados 2 anos de blog, onde exponho parte da minha vida, e por algum momento eu acho que só eu sei o que escrevi... Sim, as pessoas lêem. Inclusive já são mais de 100 seguidores,quase 18.000 acessos...Sou meio velha, conservadora, acho estranha essa mega exposição da vida que as pessoas têm hoje com facebook, com twitter, com tudo o mais que nem sei acompanhar direito...Mas eu também estou aqui e, acreditando ou não, as pessoas lêem o que eu escrevo. Viagem né ? Enfim...mas fico muito curiosa pra saber como foram esses quase 18.000 acessos...por que foram, quando foram.

Queria finalmente dar uma satisfação que esses 3 meses não serviram para adaptação de cachorro nenhum. Poucos dias mesmo da nossa questão "ter ou não ter", era um sábado, aquela preguiça pra acordar, e o Leo, brincando, dá um pulo pra fora da cama dizendo "vamos, levanta, vamos levar o cachorro para fazer xixi na rua !!!" Nessa hora morri de rir e cheguei na hora à conclusão que preciso mesmo é me dar direito à preguiça que sinto hoje em dia de tudo. E desculpe, cachorrinho, ainda não vai ser dessa vez. Eu preciso dormir por alguns anos tá ? Não tô no clima de te levar pra fazer xixi na rua...imagina na chuva, sábado de manhã...ah não ! E não quero também ficar com pena de deixar você em casa quando eu for na esquina. Eu me conheço,vou sofrer com isso, e aí mesmo que não vou colocar o pé fora de casa.

Então isso esclarecido, a vida segue. Leo e eu no nosso "mundinho", na nossa "bolha", aos poucos colocando o nariz pra fora de casa, mas sempre de uma forma cautelosa, devagar, mas às vezes escapa e nem é tão cautelosa assim.

Nesse meio tempo conheci quase que pessoalmente um príncipe quase gêmeo do Felipe, o João. Um anjinho que mora em Brasília e é a cópia do Felipe. Chega a dar arrepio na gente...Vou pedir autorização à mãe dele, Aline, para postar uma foto dele aqui. É impressionante. Outro dia nós nos conhecemos pelo skype e conheci melhor o mundo dele, um verdadeiro "Pequeno Príncipe", todo fashion e tão cheiroso que quase senti o cheirinho dele através do computador. Engraçado como só de olhar (e, claro, ouvir a mãe dele falar), sabemos como ele é cheiroso!

Acompanhei tambem de perto a cirurgia do fofo Antonio Pedro, e fiquei feliz de poder ajudar de alguma forma, nem que seja enviando as tias queridas do Felipe pra cuidar dele...

Fim de semana passado encontramos com Dr João e sua família. Não sei se ele percebe, mas vai ficar sabendo se ler isso, mas eu fico nervosa quando o encontro. É muito forte a presença do Felipe junto com a presença do Dr.João...Estar com ele de alguma forma me faz estar um pouquinho mais perto do Felipe.

6 comentários:

  1. Ah Tia acho a idéia do cachorro ótima, ele é aquilo q a gnt diz mesmo, nosso melhor amigo, qnd vc tiver down e não quiser conversar com ngm, ele vai ta la, e vai te olhar com aquela carinha, e vc vai querer abraçar ele.. mas entendo a sua preguiça.. rs, tbm ando querendo dormir mto e só quem gosta de dormir ou precisa sabe o quanto vale essas noites/tarde ou manhãs de sono!! Tudo aos poucos sempre, acompanhando seu ritmo, mas ainda te vejo com um cachorro num futuro não mto distante hahaha

    ResponderExcluir
  2. Corrigindo: TardeS, faltou um s.

    ResponderExcluir
  3. Querida Valéria, aproveitei o que vc falou sobre a curiosidade que tem com relação aos tantos acessos ao blog e resolvi me apresentar.
    Alguns desses tantos acessos foram meus. Meu nome é Renata e moro no Rio de Janeiro. Já não sei como cheguei até aqui, mas lembro bem que estava em SP na casa da minha mãe, de férias, e, "passeando" pela internet, comecei a ler seus posts. Demorei um pouquinho pra entender que Felipe havia se tornado definitivamente um anjinho fazia muito pouco tempo. Li os arquivos todos. Chorei com vc. Me emocionei. Questionei. Senti vontade de te abraçar. Desejei que vc voltasse a sorrir e que seu coração ficasse em paz. Desde então venho sempre aqui, acompanho em silêncio, mas com o coranção próximo. Através desse cantinho, encontrei o blog da mãe do Antonio Pedro, passei então a visitá-la também em silêncio. Talvez o silêncio se dê pq não haja muita coisa a ser verbalizada, mas sim uma sensação estranha de proximidade, um afeto unilateral mas verdadeiro de quem torce muito por vcs, de quem admira a força, de quem se sente solidária e profundamente atraída por esse universo das crianças que precisam de mães tão especiais quanto elas. Talvez seja a falta de respostas para tantos porquês que me faça sempre ficar emocionada, envolvida, buscando uma compreensão que nunca veio. Não tenho filhos, mas meu coração tenta se colocar no lugar do seu e de tantas outras mães. E por isso acabo voltando, pq esse tal mundo virtual faz com que a gente crie um laço com quem nem sabe que a gente existe. Porque saber que vc está, no seu tempo, voltando a encarar a vida, se tornou importante pra mim também. Eu, que me apaixonei pelo Felipe e senti vontade de te abraçar. Muito obrigada por ter oportunizado tantas lições de vida, tantas reflexões...por ter deixado uma "estranha" partilhar da sua história e sentir um carinho grande grande por vc. Um abraço muito apertado e meu melhor sorriso pra vc. Muito prazer :)

    ResponderExcluir
  4. Minha amiga, ficarei feliz em ver a fotinha do nosso Joao no seu blog, as pessoas vao poder conhecer outro anjinho...Como vc mesmo disse a copia do Felipe...Pode escolher a que voce quizer!! Saudades!!! Aline

    ResponderExcluir
  5. Com certeza muitos desses acessos são meus também, da mãe do Antonio Pedro. é engraçado como tornar-se mãe é uma espécie de perda de identidade. ou troca de identidade, melhor assim. amo ser chamada, mencionada, reconhecida como mãe do Antonio Pedro. é essa mesmo a minha maior função na vida. Bom, dito isso, não temos - eu e ele - palavras para agradecer a ajuda, Valeria. A Carmen e a Janete tem sido muito mais que ajuda, aliás. Alem de ter me deixado mais segura, mais descansada, me fez começar a considerar uma coisa q eu sempre resistia, que era ter alguem pra me ajudar a cuidar dele. eu sempre achava q essa pessoa n existia. q ninguem ia saber lidar com ele direito, q so eu era capaz de passar o dia com ele sem q ele sofresse ou ficasse muito irritado. por isso, protelei tanto a possibilidade de uma baba. ate a minha mãe era uma ajuda vigiada, digamos assim. ela me ajudava, mas eu n saia quase de perto. n conseguia me desligar, me afastar muitas horas e, claro, nem pensar na hipotese de voltar à vida, de certa forma. digo trabalhar fora, viajar so com o Cesar, sair à noite com uma certa frequencia... isso tudo deixou de existir na minha vida e eu acreditava piamente q ia ser assim por mais muito e muito tempo. Bem, ainda n mudei totalmente, mas tê-las aqui esses dias me fez ver q é possível sim confiar o Antonio a pessoas boas e desconhecidas. Isso está abrindo a minha mente para voltar a cogitar coisas impensáveis até muito pouco tempo. trabalhar ainda n dá porque 'arrumei` a marina rsrsrs entao vou esperar ela nascer e mamar um pouquinho. mas já consigo ter mais liberdade pra passar o dia resolvendo coisas fora, por exemplo. e tenho conseguido descansar bem. tanto q n vou largá-las. assim q ele colocar o botton, vou passar pra 3 vezes por semana e quando a marinoca nascer, elas voltam a vir todo dia. viu? vc resolveu sem querer uma grande questao aqui em casa e graças a vc meus dias tem sido tranquilos e um problema q eu teria lá na frente, o q fazer qdo marina nascer? como cuidar dos dois?, já está resolvido tb!
    por isso, brigada mesmo. de verdade.

    ResponderExcluir
  6. Eu e Sofia também estamos sempre aqui, Valéria.

    Algumas vezes comentando, mas a maioria só lendo e mandando um pensamento positivo pra vocês.

    Adorei saber que as coisas estão seguindo mais tranquilas. Vocês merecem muito esse tempo, então fique tranquila em relação aos 3 meses e quando tiver notícia boa ou quiser desabafar venha e saiba que tem um monte de gente te lendo e torcendo por vocês.

    Bjs!!!!!!

    ResponderExcluir