Meu nome é Valéria Pellon. Minha vida com meu marido Leonardo foi atropelada por uma grande injustiça: em 11 de janeiro de 2007, Felipe, nosso anjinho tão esperado, nasceu em um dos melhores hospitais do Rio de Janeiro e, em função de negligência médica, sofreu lesões cerebrais irreversíveis durante o parto, em decorrência de asfixia. Após 5 meses internado na UTI veio pra casa com "home-care", como viveu até 11 de novembro de 2010, em estado vegetativo. Este blog é uma forma de "gritar" o nosso sofrimento e mostrar como o amor salva nossas vidas e nos faz sobreviver, a cada dia.



terça-feira, 20 de julho de 2010

Dia do Amigo

Eu acredito que o dia do amigo é absolutamente todos os dias. Mas há certas datas que servem para a gente parar para pensar, refletir, e por que não, agradecer. Estranho agradecer amizade, mas eu queria sim, agradecer aos amigos antigos, aos novos amigos que surgiram no blog, aos que já existiam e eram distantes mas se aproximaram com a chegada do Felipe, aos que eram mais próximos e se afastaram porque não aguentaram, aos que fazem questão de estar sempre juntos, aos que se afastaram porque não sabem o que dizer, mas fazem questão de dizer isso....enfim, tem tantas modalidades de amigos, e todas são válidas. E ao maior amigo de todos, meu marido ! À melhor amiga de todas, minha mãe ! Apesar da vontade de me esconder numa caverna e desaparecer para sempre, vocês me colocam pra frente sempre. Obrigada !
Estranho dizer isso, logo nesse dia, mas fiquei muito abalada com o que aconteceu com o filho da Cissa Guimarães. Desde que soube da morte do filho dela dessa forma estúpida, fiquei pensando no tamanho da dor que ela deveria estar sentindo. O dia inteiro fiquei com o coração apertado. E o tempo todo me lembrava do tamanho da minha dor quando o Felipe nasceu. Que desespero, dá vontade de ligar, abraçar e dizer que entendo o que ela está sentindo. Sei também que isso de nada adiantaria, mas sei lá. Muito louca essa vida. Tudo vai bem, você está sorrindo, olha pra baixo por um segundo e quando levanta a cabeca se depara com um caminhão em alta velocidade na sua frente, que te pega de frente, acaba com você e muda completamente o rumo da sua vida. Sua vida nunca mais será a mesma, por causa de uma estupidez...
A todos os amigos, e "companheiros" de dor, um abraço maior do mundo !

2 comentários:

  1. Achei esse texto tão bonito que resolvi colocar aqui no blog. bj Alessandra

    AMIGOS

    Escolho os meus amigos não pela pele nem outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
    Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
    A mim não interessam os bons de espírito ou os maus de hábitos.
    Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.

    Deles não quero resposta, quero o meu avesso.
    Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim.
    Para isso, só sendo louco.

    Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta.
    Não quero só ombro ou colo, quero também sua maior alegria.
    Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto.

    Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.
    Não quero risos previsíveis nem choros piedosos.
    Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.

    Não quero amigos adultos nem chatos.
    Quero-os metade infância e a outra metade velhice.
    Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto e velhos para que nunca tenham pressa.

    Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de Oscar Wilde. Que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril

    ResponderExcluir