Meu nome é Valéria Pellon. Minha vida com meu marido Leonardo foi atropelada por uma grande injustiça: em 11 de janeiro de 2007, Felipe, nosso anjinho tão esperado, nasceu em um dos melhores hospitais do Rio de Janeiro e, em função de negligência médica, sofreu lesões cerebrais irreversíveis durante o parto, em decorrência de asfixia. Após 5 meses internado na UTI veio pra casa com "home-care", como viveu até 11 de novembro de 2010, em estado vegetativo. Este blog é uma forma de "gritar" o nosso sofrimento e mostrar como o amor salva nossas vidas e nos faz sobreviver, a cada dia.



terça-feira, 24 de novembro de 2009

Momento gostoso com a mamãe




Às vezes Felipe parece que está sorrindo...

10 comentários:

  1. Como ele ta grande!!! Vou passar aí qq dia para ve-lo. Beijosss

    ResponderExcluir
  2. Esqueci de assinar o comentário...rss.
    Beijos, Aline Loja

    ResponderExcluir
  3. e realmente está , com uma mãe dessas !! bjks tia , te amo!

    ResponderExcluir
  4. E, deve mesmo estar! Está perto do cheiro de mãe... nada iguala isso!

    ResponderExcluir
  5. Como assim "nada iguala isso"?! Desculpe discordar, o cheiro do pai iguala e, para desespero da Valéria, às vezes até supera...rs

    ResponderExcluir
  6. Felipe,

    Tive a oportunidade de lhe conhecer neste último Sábado (30/01/2010) e, gostaria de registrar que você ganhou uma nova admiradora, Adriana.
    O motivo? Ao mesmo tempo em que é tão indefeso, é grande. Grande pela FORÇA e pela Humildade de ter aceitado esta missão! Como a sua própria mãe, carinhosamente, refere-se a você: é um “anjinho”!
    Luta para “seguir em frente” e – EU ACREDITO NISTO – é capaz de demonstrar reações de uma maneira singela.
    Se fechar os olhos, consigo me lembrar do seu cheirinho, da sua mãozinha gorduchinha, dos seus cabelos lindos e das suas sobrancelhas desenhadas por DEUS.
    Você me tocou muito, lindinho. Este toque é no bom sentido! Uma enorme afeição enche meu coração, ao lembrar de você, queridinho.
    Gostaria de parabenizar os seus pais – Valéria e Léo - pelo amor, pela FORÇA e pela crença em DEUS, que lhe dão a coragem para lidar com uma mistura de emoções e, ao mesmo tempo, permanecerem juntos.
    Tomo, também, a liberdade de pedir que os seus pais me permitam dizer: “meu ...”, como “meu amiguinho”, “meu queridinho”, “meu lindinho” e, mais ainda, “meu anjinho”; já que gostaria de ter chance de demonstrar – com freqüência - o carinho que sinto por você.
    Sua nova tia (amiga, admiradora...),
    Adriana Britto

    ResponderExcluir
  7. Boa noite Sr. Valéria, Como esta o Felipe? Espero que esteja tudo bem.
    Hoje sentei aqui e o Felipe me veio a cabeça e gostaria de saber como ele esta passando, as pessoas passam em nossas vidas e entram sem ter muitas explicações, mais na verdade elas ficam, mesmo que em parte do tempo nem lembramos delas, mais um dia vem a faca afiada da saudade e nos corta, fazendo lembrar de pessoas que pelo nosso dia a dia esquecemos.
    Desculpas por entrar assim na vidas de vocês, mais só gostaria de saber como ele esta, pois aqui em casa aprendemos a gostar dela pelo carinho que Camilinha tinha por ele.
    Boa noite e que o Bom Deus abençoe a todos ai.

    ResponderExcluir
  8. desculpa o erro quando cito Felipe como (dela) enão (dele)

    ResponderExcluir
  9. ola guerreira meu nome cintia moro em betim mg tambem tenho um filho que usa sonda parabens para todas nos guerreira

    ResponderExcluir
  10. Oi Valéria!Meu nome é Viviane e tenho uma filha de 9 meses chamada Julia que vive como seu filho Felipe viveu.Só que no meu caso não foi erro médico e sim a minha demora em procurar um.A Julia teve o cérebro lesionado e ate hj ela não acordou.Ela em traqueo e gastro e pouquíssimos reflexos.Ela ficou 7 meses na uti e tem quase 3 meses que ela esta em casa com home care.Vc mais do que ninguem sabe o que estou passando.Faz tempo que vi seu blog, pois logo que soube da gravidade do problema dela, ja corri atras para ver se tinha algo parecido, porq ate então nunca tinha ouvido falar.Foi onde encontrei seu blog e vi que não estava sozinha nessa dor e nessa luta.Gostaria de conversar mais com você pois muitas vezes não sei como lidar com a Julia, tem as auxiliares ali o tempo todo,fazendo o que eu queria fazer, ta dificil entender....Espero que você leia e entra em contato comigo, preciso de ajuda de quem realmente entende o que sinto.Tenho face la tenho fotos da Julia.Bom resumindo um pouco minha historia e essa.Um abraço!

    ResponderExcluir