Meu nome é Valéria Pellon. Minha vida com meu marido Leonardo foi atropelada por uma grande injustiça: em 11 de janeiro de 2007, Felipe, nosso anjinho tão esperado, nasceu em um dos melhores hospitais do Rio de Janeiro e, em função de negligência médica, sofreu lesões cerebrais irreversíveis durante o parto, em decorrência de asfixia. Após 5 meses internado na UTI veio pra casa com "home-care", como viveu até 11 de novembro de 2010, em estado vegetativo. Este blog é uma forma de "gritar" o nosso sofrimento e mostrar como o amor salva nossas vidas e nos faz sobreviver, a cada dia.



segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Silêncio

Difícil começar a escrever, difícil acordar, difícil comer, tomar banho, falar, pensar, difícil viver. Acordei cedo, antes do Leo, e nesse silêncio que está essa casa, vim aqui "desabafar" para não ficar rodando sem rumo pela casa.

Foi tudo muito rápido. Felipe tinha começado uma febre na segunda-feira à noitinha, coisa que há muito tempo não acontecia. Falei com Dr.João, que passou um remédio e logo de manhã cedinho do dia seguinte passou para vê-lo. Disse que estava iniciando um quadro de infecção pulmonar, e entrou logo com antibiótico. Na noite seguinte, ainda teve um pouco de febre e no dia seguinte já estava melhorando, com febre mais baixa, com menos necessidade de oxigênio e mais calminho. Parecia que estava rapidamente respondendo à medicação, como sempre. Na quinta-feira cheguei em casa para almoçar, logo depois da técnica ter me ligado dizendo que ele tinha voltado a fazer febre. Mas quando bati o olho nele, vi que tinha alguma coisa diferente. Ele estava sem cor. Os lábios do Felipe são sempre rosadinhos, e estavam completamente brancos. Pelo telefone com os médicos, começamos a hidratá-lo, mas dali em diante, foi tudo muito rápido. Começou a fazer hemorragia, sangrando pelo nariz, pela gastrostomia, e não era mais possível dar nenhum remédio. Pressão caindo. Dr.João veio correndo do consultório, e quando chegou, bateu o olho nele e chamou Leo e eu para conversar. Felipe estava em choque, a bactéria da infecção passou para a corrente sanguínea, causando um choque séptico, e só poderíamos fazer alguma coisa para ajudá-lo no hospital, pois era necessário um acesso venoso profundo para medicá-lo. Nesse momento, entrei em pânico. Tínhamos um "pacto" que não queríamos internar o Felipe, que faríamos tudo que fosse possível para ele em casa. Mas nessa hora, quem tem coragem ? Dali em diante foi Dr João tentando vaga em alguma UTI pediátrica, não tinha nenhuma vaga, mas acabou conseguindo no Hospital S.Vicente de Paulo, na Tijuca. Espera da ambulância, chega ambulância com sirene quebrada, chovendo, trânsito, mas enfim chegamos com ele vivo. Mas não entrando mais em tantos detalhes, poucas horas depois de uma espera horrorosa, foi numa das várias tentativas de pegar uma veia que meu anjinho desisitiu, não quis mais, cansou. Bateu asas e voou...

Acho que não preciso contar o resto...recebemos o abraço carinhoso de muitos e muitos amigos no velório, e ontem fizemos uma rápida e íntima cerimônia de cremação, com as lindas palavras da amiga Marcia e do meu irmão Zero.

Vivemos hoje o segundo luto pelo Felipe. Quando ele nasceu, aquela tragédia que aconteceu, onde aquele Felipe que esperávamos tinha "morrido" para surgir uma nova e dura realidade. Aprendemos, com muita dor, a cuidar dele, a fazer toda nossa vida em função dele. Com o home-care, nosso pequeno apartamento foi invadido por vários profissionais que vinham cuidar dele. Mas nossa vida estava numa estranha normalidade, havia uma rotina, acordava de manhã e ele já estava todo arrumadinho, sentadinho com os bichinhos amiguinhos dele, esperando mamãe escovar os dentes para depois fazer fisioterapia, quando não tinha outro "compromisso"... Antes de qualquer coisa, eu dava um abraço mais gostoso do mundo de "bom dia". Era o "upa" da mamãe. E aquele suspiro que às vezes ele dava, o cheirinho delicioso, tudo aquilo era combustível para o meu dia começar. Se eu tinha que sair mais cedo por algum motivo e essa rotina era quebrada, meu dia não era o mesmo. Sempre que dava, almoçava em casa, só pra dar uma olhadinha nele e ficar 15 minutinhos que fosse. Quando dava mais tempo, me deitava com ele um pouquinho. E no final do dia, ele era todo meu...Ficava no meu colo com calma, normalmente sozinhos no quarto, curtindo nosso namoro.

Hoje a casa está insuportavelmente vazia. Um silêncio que não acaba. Leo e eu não sabemos o que fazer. Tomo remédio para dormir, mas mesmo assim acordo cedo. Tudo que eu tenho vontade de fazer é dormir...

Nesses quase 4 anos aprendemos a viver cada dia, sabendo da gravidade dele. Não aprendemos o que fazer quando esse dia chegasse. Meu egoísmo me faz sofrer demais, eu sinto falta do corpo dele, da existência material dele, embora saiba que a vida que ele vivia não era legal pra ele e nem tinha perspectiva de melhorar. Sinto nesse momento uma necessidade muito grande de acreditar que ele foi recebido pelo meu pai, que o vovô tá cuidando dele, como no sonho da minha mãe, e que ele está LIVRE e feliz. Mas ao mesmo tempo tudo isso é muito distante, eu preciso ter certeza que ele está bem. Como pode alguém estar tomando conta dele, que não seja a mamãe ??? Estão tomando conta dele direito ? Como uma criança está feliz longe dos pais ? Aí me lembro o que a querida Jane, amiga da minha mãe, nos disse no velório. Felipe era um espírito evoluído. Ele fez tudo que ele tinha que fazer aqui em pouco tempo. E o que ele fez ? Nossa...fez o amor aproximar cada vez mais seus pais, as nossas famílias, nossos amigos conhecidos e desconhecidos. Fez ajudar outras crianças com problemas, fez a gente e tantas outras pessoas verem o mundo com outro olhar, valorizando as pequenas coisas da vida.

Nesses últimos 4 dias ouvi e li de amigos próximos e amigos desconhecidos do blog, coisas lindas, que me confortam de verdade, mas minha maior dor é que eu nunca vou ter a resposta de nada. Eu vou encontrar com Felipe um dia ? A gente vai se reconhecer ? Eu vou ser eu mesma e ele vai ser o Pipo da mamãe ? Que vazio que eu sinto, nem sei explicar.

Aos amigos, nem tenho palavras para agradecer tanta manifestação de carinho. Vejo a dor nos olhos daqueles que eram próximos dele, e com isso eu vejo como esse anjo era especial e transmitia amor e paz para todos à sua volta.

Meu anjinho, fica bem, aproveite a sua liberdade, corra, brinque, ria bastante...nossa dor nunca vai embora, e a saudade...o que eu faço com ela ???? Vamos começar tudo de novo....

Te amarei para toda a eternidade...

16 comentários:

  1. Valeria, o que dizer numa hora dessas? As palavras vem e vão, os sentimentos ficam devastados, a compaixão, a solidariedade, a vontade de compartilhar essa dor sem fim com vocês, tudo isso ganha uma dimensão absurda. Te conheço pelo Leo e gosto tanto, mas tanto de vocês. A minha verdadeira vontade era de estar aí, sentar ao seu lado, dar um abraco muito apertado e rezar minha amiga, rezar pra ver se transmite um minimo de serenidade. Fique com Deus e acredito que o Felipe era um anjo da guarda que veio a Terra e agora está à distancia protegendo essa família. Bjo grande e conte comigo. Minele

    ResponderExcluir
  2. Valéria, conheci a história de vocês há pouco menos de um mês. Chegue a comentar aqui o quanto me emocionei com ela. Estou longe de vocês, aqui na Bahia,não nos conhecemos,mas queria tanto de dar um abraço. Neste momento choro, literalmente,não de tristeza, mas de admiração pela grandeza do coração de vocês e por serem tão abençoados a ponto do Pai Celestial terem dado a vocês essa responsabilidade de cuidar de um dos seus filhos mais especiais. A sua amiga está certa. Ele era(é) grandemente evoluído e não precisava desta vida! Precisou apenas, por um momento, de um corpo físico para cumprir um plano de Deus e ressicitar um dia, como todos nós. O seu filho é perfeito e não tenha dúvidas, ele está o lado do Pai dada a sua pureza! Não tenha dúvidas também de que você o verá novamente e que junto com o seu marido, serão uma família linda e eterna. Valéria, o Felipe não precisa mais destes cuidados que tinha aqui nesta terra. Ele agora tem o corpo perfeito e como ele é grato a vocês por tanto amor que recebeu enquanto aqui esteve. Nossa, não sei explicar,mas não tenho vontade de parar de escrever... Querida, quero que saiba que ainda que não me conheça para mim foi maravilhoso conhecer a história de vocês e um pouco da grandiosidade de seus corações. Se você me permitir, gostaria de enviar-lhe um presente que poderá te ajudar compreender um pouco mais do propósito desta vida e sobre o nosso futuro. Caso não queira,vou entender. Mas se quiser, envie o seu endereço para o meu email: mariza_araujo7@hotmail.com
    Caso fique insegura,ore antes e pergunte a Deus se as minhas intenções são boas. Caso não sinta em seu coração, vou entender.
    Fica com Deus!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Valéria, tenho certeza que um dia vocês vão se encontrar sim. Todos nós, que temos um bom coração, vamos nos encontrar.

    Mais uma vez envio meus sentimentos pra vocês e agradeço imensamente por nos contar um pouco mais do Felipe, esse menino guerreiro que veio mais para cuidar e nos lembrar desse grande amor que podemos sentir uns pelos outros (ainda que não nos conheçamos), que para ser cuidado.

    Bjs enormes meus e da Sofia. E fiquem com Deus.

    ResponderExcluir
  5. Minha flor, essa manhã, como todas as outras, precisei passar pela Lagoa, indo pro Leblon. Quando voltei, poderia ter seguido sentido Rebouças, mas algo muito mais forte me fez virar na Saturnino de Brito e entrar na Lineu. Queria muito ter ido aí. Passei com o carro bem devagar e confesso: não tive coragem de parar. Voltei chorando pra casa.
    Eu sei que ele está bem, mas também estou sendo um pouco egoísta naesse momento. Vai passar porque tenho absoluta certeza que ele está com o vovô e muito bem!
    Sou eternamente grata a vocês por permitir que eu colocasse ele no meu colo e dese muitos bejos na bochecha mais gostosa do mundo!

    Saudades de você, do Leo e do Homem Aranha!
    Um beijo e um abraço bem forte!
    Nanda

    ResponderExcluir
  6. Valéria... lindo o que vc escreveu, impossível nao me emocionar... com certeza ele está bem, livre como vc disse e um dia, nao sabemos quando nem como, vcs vao se encontrar, acredite nisso.
    Assim que cheguei do velório entrei no meu computador e procurei uma foto que tinha com ele... fiz uma homenagem, postei essa foto no meu facebook. Era o que eu podia e o que eu queria fazer naquele momento.
    Um beijo grande pra vc e Leo.
    Aline Loja

    ResponderExcluir
  7. Oi, Valéria..
    Meu nome é Juliana, conheci seu blog há pouco tempo, mas assim que conheci a história de vocês, coloquei seu blog na minha lista de blogs prediletos e sempre passava pra dar uma olhadinha no Felipe.
    Sim, querida, o Felipe é, sim, uma alma evoluída. É um anjinho que passou por aqui pra abençoar, encher de amor, de paz e de esperança a vida de todos os que, tiveram o privilégio de conviver com ele e de todas as outras pessoas que, como eu, tiveram a sorte de conhecê-lo, mesmo que através desse blog.
    Sabe o que eu penso? Que o Felipe é o anjo da guarda dessa mamãe e papai que o amaram tanto e que ele sempre vai estar ao lado de vocês, que vocês nunca vão se separar, mas que um dia, você vai vê-lo novamente.
    Força sempre.
    Um beijo pra você e pro Léo.

    ResponderExcluir
  8. Valéria querida, meu nome é Rejane, tia Jane. Irmã da Ju (comentário acima) e titia da Sophia. Também acompanho seu blog, sua história, o amor e dedicação com seu anjo Felipe. Gostaria de ter uma palavra, uma frase, um texto que tivesse o poder de tirar seu sofrimento e de toda a sua família. Mas não é possivel, dói querida, dói muito, imagino..se dói em mim, mera leitora de seu blog..mas o Cara lá de Cima vai te confortar, vai mostrar ao Felipe o que fazer para estar sempre por perto de você, do papai. Você vai ver, logo ele estará em seus sonhos mostrando coisas novas que viu, que aprendeu, te abraçando, te beijando..o papai também..acredite nisso, confie no Pai!
    Se puder ler o livro A Cabana, talvez consiga se sentir melhor...quem sabe.
    Força querida, fique em paz, você e sua família.
    Beijo no coração
    Tia Jane

    ResponderExcluir
  9. Val,
    Sou a Flavia,mãe do Victor Coutinho,nos conhecemos na São José.
    Pra te falar a verdade,só queria que vc se sentisse abraçada por mim.
    Não posso imaginar a dor que vcs estão sentindo...
    Eu também estou sofrendo muito,muito mesmo pois sempre acreditei no milagre.
    Deixo aqui meu carinho para vcs todos,triste,muito triste,mas certa que o Felipão vai deixar a estrelinha dele continuar brilhando.
    Um beijo grande,

    ResponderExcluir
  10. Estava indo a uma festa na quinta à noite com uns amigos quando recebi a notícia pela Fernanda do que tinha acontecido. Minha noite acabou! Imediatamente liguei para Aline que deu a notícia aqui em casa. Ficamos arrasados.
    Me impressionou mto a quantidade de pessoas e a nítida comoção delas no velório do Felipe. É desagradável todo esse clima envolvendo o óbito de uma pessoa, mas se torna mto pior quando trata-se de uma criança. Uma cena me marcou neste dia: Valéria e Leo sentados, um de cada lado, ao ladinho do Felipe, de mãos dadas, somente eles, mais ninguém. Emocionante o companheirismo, o amor e a força que os unia. E só confirma o que a Jane falou e que acredito mesmo: o Felipe veio cumprir sua missão aqui. Sempre foi uma criança estável, sem doenças (dentro de suas limitações), seus pais lhe deram tudo o que foi preciso, mas quando realmente chegou a sua hora, em 3 dias ele "bateu as asas e voou" e levou com ele sua tarefa cumprida, como foi bem descrito no post da Valéria.
    Foi um grande prazer ter conhecido o Felipe e sua família. Tenho certeza que vcs vão ficar bem, pq ele com certeza está. Pensem nisso...
    Um grande beijo e um abraço bem apertado da amiga Lu

    ResponderExcluir
  11. Valeria e Leo chorem muito o seu luto.Dói demais mesmo.Felipão será eterno no coração de todos e principalmente no de vcs.Como já foi dito era um espírito muito acima da nossa compreensão e soube escolher muito bem quem iria ajudá-lo nessa trajetória.Duas pessoas com muita garra, coragem,amor e uma capacidade de doação que não sabiam nem que tinham e ele ajudou vcs a descobrir.
    Felipe está muito bem, recebido pelo vovô Fabiano e livre das traquitanas que precisou nesse tempo aqui.Voces se reencontrarão e claro que se reconhecerão,fique tranquila quanto a isso.Procure se fortalecer física e espiritualmente do jeito que vc achar melhor.Um bj muito grande pra vcs pq o do Felipe eu agora mando diretamente.Tia Gi

    ResponderExcluir
  12. Felipe te fez forte, justamente para, nessa hora, você conseguir lidar com tudo que está sentindo. O tempo será teu amigo...
    Fica bem! E, tenha a certeza de que ele está bem cuidado!

    ResponderExcluir
  13. Fico impressionada como neste momento vc (talvez sem perceber) consegue transmitir conforto e serenidade pra quem se emociona com sua historia e, mesmo sem conhecer, aprendeu a torcer por sua familia. Meu primeiro sentimento foi de revolta, mas incrivelmente vc apazigua isso.
    Ser mae e ser pai eh para sempre, nao importa quantos anos nossos filhos tenham ou onde eles estejam, nos sempre cuidaremos deles, sempre traremos eles conosco e lutaremos por eles... nenhuma vida eh em vao, nenhuma vida acaba. Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Paz pra vocês. Felipe está bem. Acredito que como no sonho de sua mãe. Agora é rezar bastante por ele, lembrar com Amor e cuidar de vocês. Com certeza, ele gostaria de ver os pais bem. Sei que o despertar é dificil, começar nova jornada. Mas é o que recebemos para 'administrar'. Não escolhemos, apenas recebemos. Então que seja da melhor forma possível. Por ele mesmo.
    Respostas? Não teremos nenhuma agora. Talvez um dia, quem sabe.
    Abraços de coração.

    ResponderExcluir
  15. Tia,
    eu não sei o que é ser mãe, e não consigo imaginar o que é ser mãe e perder um filho, e ter sido tão dedicada como vc foi. Eu tento me colocar no seu lugar a cada instante pra tentar imaginar o minimo de dor que vc pode estar sentindo. Mas isso é uma tarefa complicada, eu nunca vou saber.
    Me falta palavra até agora, eu não sei bem o que falar ou fazer, e creio que o melhor remédio mesmo será o tempo e o recomeço. É necessário acreditar, agora mais do que nunca eu percebo a importancia da fé. A gente precisa acreditar que ele está bem, livre, sorrindo, nos braços do vovô. Que será muito bem cuidado no céu de crianças pra onde ele foi. E que se foi, com a certeza de ter sido muito amado. Te amo, a sua sobrinha que está sempre aqui pro que vc precisar. Beijos Íris.

    ResponderExcluir